GREVE: 10 motivos para não aceitar a proposta

DEZ MOTIVOS PARA NÃO ACEITAR A PROPOSTA DO GOVERNO

Após analisar a proposta de reestruturação da carreira e de recomposição salarial apresentada pelo Governo Federal no último dia 13 de julho, a Diretoria Executiva da ADUFG Sindicato considera que ela é um afronta aos direitos trabalhistas dos professores e professoras da ativa e aposentados(as), tendo em vista que, para a carreira do Magistério Superior Federal:

1. Representa uma ameaça à autonomia universitária, já que será o MEC a estabelecer, posteriormente, os critérios de progressão e promoção, e não as Universidades;

2. Fere a LDB quando altera a carga didática semanal média de 08h para 12h;

3. Suprime direitos já adquiridos, tal como o direito de professores não doutores progredirem para a classe de adjunto;

4. Prejudica os professores aposentados, especialmente os que já ficaram retidos na classe de adjunto, muitos dos quais foram fundadores das universidades federais;

5. Penaliza os professores em regime de 20h e 40h e lesa salarialmente os professores especialistas e mestres;

6. Não apresenta uma lógica estrutural. A diferenciação salarial entre regimes, classes e níveis, por exemplo, parece ter sido construída de forma aleatória;

7. É obscura no que se refere à Retribuição por Projetos Institucionais de Pesquisa, Extensão e Gratificação de Atividade de Preceptoria, já que não detalha este ponto, que será posteriormente disciplinado pelo MEC;

8. Cria cláusulas de barreira para que todos os professores possam atingir o topo da carreira, independentemente da sua titulação;

9. Incorpora a classe de titular à carreira, mas impõe cláusula de barreira na qual somente 20% dos professores que atingirem a classe de associado 4 poderão ascender;

10. Provoca redução salarial na maioria das classes ao final da sua implantação, considerando-se a inflação projetada até 2015, um cenário muito distante da equiparação salarial com a carreira da Ciência e Tecnologia ou de qualquer aumento real. Para os professores da carreira do magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT), as perdas de direitos adquiridos são maiores ainda.

Pelo exposto, a Diretoria Executiva da ADUFG Sindicato compreende que, da forma como foi apresentada, a proposta do governo é inaceitável.

(Diretoria Executiva da ADUFG Sindicato. Goiânia, 16 de julho de 2012). 

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s