Chamada para e-misférica 11.1: O gesto decolonial

 

e-misférica 11.1: O gesto decolonial
Editores: Jill Lane e Marcial Godoy-Anativia, NYU
Editora convidada: Macarena Gómez-Barris, USC
e-misférica convida os interessados a submeter ensaios acadêmicos, apresentações artísticas/ativistas e resenhas de livros, performances e filmes para a sua edição de inverno de 2014, “o gesto decolonial”. Com o emprego do termo “decolonial”, estendemos um convite ao diálogo com uma diversidade de críticas intelectuais sobre o poder e a epistemologia do colonialismo e os seus legados no presente. Por um lado, seguimos escritores que teorizam o “decolonial”— Dussel, Quijano, Mignolo e Walsh, dentre outros—e, por outro lado, seguimos uma gama mais ampla de teorias e práticas anti-coloniais “decolonializantes”, que poderiam incluir W.E.B. Dubois, Frantz Fanon, Ngugi Wa Thiongo, além de feministas indígenas e “chicanas”,  de Gloria Anzaldúa a Julieta Paredes e Silvia Rivera Cusiquanqui. A crítica performática que pratica epistemologias de outros modos é algo central ao conceito de “decolonial” porque, ao fazê-lo, abre espaço para o surgimento de outras subjetividades, comunidades e políticas. Através do “gesto”, destacamos essa prática performática e convidamos à reflexão sobre se e como a ação, os corpos e os comportamentos expressivos possibilitam uma prática decolonizante específica.

No seu artigo “1492: uma nova visão de mundo”, a filósofa jamaicana Sylvia Wynter argumenta que o ano de 1492 deu início a uma nova ordem representacional que emergiu de uma ideologia colonial europeia acerca da não-homogeneidade da humanidade—uma nova visão de mundo que terminou por produzir sistemas classificatórios raciais e trabalhistas que, segundo ela, “forneceu as bases para as entidades políticas pós-1492 no Caribe e nas Américas, as quais, ainda que como novas variantes, continuam sendo legitimadas pelos sistemas coloniais do oeste europeu do século dezenove, e também como contínuas hierarquias da nossa ordem global atual”. O mundo que o colonialismo construiu emergiu a partir de uma ruptura fundamental que remodelou tempo, espaço e trabalho e produziu uma ordem relativa ao gênero/sexo e à raça. Ao refletir sobre o “mundo de ponta-cabeça” criado pelo colonialismo, a arte e o estudo acadêmico da decolonização expõem a sombra e os efeitos contínuos do colonialismo europeu, da escravatura e do capitalismo do colonizador, e também a sua persistência simbólica e material na modernidade. Serão bem vindas contribuções que desenvolvam este pensamento, analisando as interseções entre o colonialismo, a raça e a performance nas Américas.

Favor submeter os ensaios completos até o dia 15 de outubro de 2013; pedidos de informação e resumos antecipados são muito bem vindos. Para submeter apresentações e resenhas em multimídia, favor entrar em contato com os editores para apresentar as suas propostas no máximo até o dia 1 de setembre de 2013, sendo o prazo para a entrega de textos e materiais até o dia 15 de outubro.

Todas as contribuições, propostas e consultas devem ser enviadas para os editores através do e-mail hemi.ejournal@nyu.edu. As nossas normas e manual de estilo estão disponíveis no sitehttp://hemisphericinstitute.org/hemi/pt/participate.

Simpósio de Arte-Educação

Imagem inline 1

 

X SIMPÓSIO DE ARTE-EDUCAÇÃO

ESPAÇOS DE ARTE. ESPAÇOS DE SABER.

CONCEPÇÕES SOBRE O ENSINO DA ARTE NA CONTEMPORANEIDADE

de 9 a 13 de setembro de 2013

na Univesidade Estadual do Centro-Oeste

Guarapuava, Paraná

 

Site do evento: http://eventos.unicentro.br/simposioarte2013

Curta a página do X Simpósio de Arte-educação no facebook e receba nossas atualizações: https://www.facebook.com/xsimposiodearte

Convidados confirmados: Celso Favaretto (USP), Carminda Mendes André (UNESP), Silvia Sell Duarte Pillotto (UNIVILLE) e Gisa Picosque (Diretora do Rizoma Cultural – projetos em arte, cultura e educação)

 

A Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), por meio do Departamento de Arte-Educação, do Instituto Rede Arte na Escola Pólo/Unicentro e dos Grupos de Pesquisas em Artes/Unicentro, promove, desde 2003, o Simpósio de Arte-Educação, chegando, em 2013, à sua décima edição.

O Simpósio de Arte-Educação é o principal espaço de intercâmbio, aperfeiçoamento e disseminação de pesquisas realizadas na área de Artes e nas áreas afins (como Pedagogia, História, Filosofia, Letras e Comunicação Social) da região centro-sul do estado do Paraná, fundamental para o diálogo entre artistas, produtores culturais, discentes, pesquisadores e docentes do ensino superior e da educação básica desta região.

A proposta da décima edição “Espaços de arte. Espaços de saber. Concepções sobre o ensino da arte na contemporaneidade” aponta para uma discussão que privilegia a convergência de linguagens em processos criativos e poéticas da arte contemporânea, na formação de um indivíduo preparado para atender as novas tendencias de ensino da arte.

A décima edição pretende fomentar reflexões sobre a construção do conhecimento de poéticas artísticas articuladas entre vivência, expressão e compreensão de saberes da diversidade de suas manifestações: visualidade, sonoridade, teatralidade e corporalidade, concomitante com conhecimentos pedagógicos.

Foram definidas duas linhas gerais de discussão sobre a arte na contemporaneidade, que se convergem ao longo de seus discursos: a multiplicidade de produções e poéticas artísticas x os desafios do ensino da arte.

Na linha sobre a multiplicidade de produções e poéticas artísticas na contemporaneidade será abordado o contexto das possibilidades artísticas atuais; os discursos sobre os processos criativos e as poéticas da arte na contemporaneidade, a partir de relatos de experiência de artistas/pesquisadores, e a vivencia dos participantes por meio de oficinas de práticas artísticas contemporâneas.

Na linha sobre os desafios do ensino da arte contemporânea será abordado o contexto das possibilidades de ensino da arte na contemporaneidade e os discursos sobre o ensino da arte, a partir de relatos de experiência de educadores/pesquisadores das mais variadas áreas, desde sobre as ações educativas no ensino não formal realizadas em museus e galerias, ONGs, fundações, etc. à ações educativas no ensino formal como nas séries iniciais, na educação especial e nas universidades.

A pro­gra­mação con­tará com professores/pesquisadores e artistas/pesquisadores de diferentes regiões do país que privilegiam na investigação de suas pesquisas o tema em questão, destaque para os professores Pós-Doutores Celso Favaretto (USP) com a palestra sobre “Arte e conhecimento”, Carminda Mendes André (UNESP) com a palestra e oficina sobre “Poéticas das artes contemporâneas: artes urbanas em seu aspecto cênico”, Silvia Sell Duarte Pillotto (UNIVILLE) com a palestra e oficina sobre “A arte no currículo do ensino básico: experiências estéticas e culturais” e Gisa Picosque, diretora do Rizoma Cultural – projetos em arte, cultura e educação.

 

 

Para mais informações, esclarecimentos e dúvidas em geral, entre em contato:

de segunda a sexta-feira das 10 às 12 horas e das 13 às 17 horas

telefone: (42) 3621- 1308

e-mail: xsimposiodearte@gmail.com

Nova edição da revista Moringa: Artes do Espetáculo – UFPB

Está no ar a nova edição da revista Moringa: Artes do Espetáculo (V. 4  N. 1 jan-jun/2013).

MORINGA é uma publicação semestral do Departamento de Artes Cênicas, vinculado ao Centro de Comunicação, Turismo e Artes da Universidade Federal da Paraíba (CCTA-UFPB). Fomenta o diálogo interdisciplinar no campo das artes do espetáculo. Seus eixos de interesse situam-se tanto nos aspectos que compõem os processos de criação quanto nas poéticas que regem as artes espetaculares em suas relações com os distintos campos de produção cultural e demais áreas das humanidades (Qualis A2 – ARTES/MÚSICA).

Acesse o novo número aqui

 

Festival de Cenas Curtas – Galpão

O Galpão Cine Horto, centro cultural do Grupo Galpão, lança, neste dia10 de junho, o edital para seleção de propostas de cenas de até 15 minutos para a 14ª edição do Festival de Cenas Curtas. As inscrições deverão ser feitas até o dia 26 de julho e as propostas selecionadas para compor a programação do festival serão divulgadas no dia 09 de agosto. A comissão julgadora será composta por membros da equipe do Galpão Cine Horto, do Grupo Galpão e artistas convidados.

Evento que se tornou referência de experimentação no cenário cultural de Belo Horizonte, o Festival de Cenas Curtas já foi espaço de criação para importantes grupos mineiros de renome nacional, como o Espanca!e o Luna Lunera, e há alguns anos mantém diálogo com outros festivais pelo Brasil, criados sob influência de seu formato, como: a Mostra Cena Breve (Curitiba/PR), Festival Dulcina de Cenas Curtas (Brasília/DF) e oFestival Breves Cenas (Manaus/AM). Este ano, o festival assume um caráter comemorativo, celebrando os 15 anos de atividades do centro cultural e apresentando novidades em sua programação.

Edital completo disponível aqui para download.
Ficha de inscrição disponível aqui para download.

O FESTIVAL DE CENAS CURTAS
Festival de Cenas Curtas teve sua primeira edição realizada no ano de 2000 e tem como objetivos estimular a criatividade, reunir artistas, revelar novos talentos e proporcionar ao público o acesso a uma ampla diversidade de linguagens teatrais. A seleção das cenas é feita por uma comissão julgadora, composta por integrantes da equipe do Galpão Cine Horto, do Grupo Galpão e especialistas convidados, que adota como critério principal o trabalho de pesquisa e investigação teatral presente nas propostas.

Dezesseis propostas de cenas curtas, com duração máxima de 15 minutos, são selecionadas e para cada uma é concedido um auxílio-montagem. O festival tem duração de cinco dias, durante os quais o público presente elege as melhores cenas de cada noite. Estas, somadas a uma quinta cena eleita por uma comissão de artistas, compõem aTemporada das Mais Votadas, curta temporada de reapresentações no Galpão Cine Horto. Atualmente, o Festival de Cenas Curtas é considerado um polo eficiente de estímulo criativo para artistas de Belo Horizonte e de outros Estados.

14ª EDIÇÃO :: A FESTA DOS ENCONTROS
Integrando a programação comemorativa dos 15 anos do Galpão Cine Horto, a 14ª edição do Festival de Cenas Curtas apresenta novidades em seu formato. Como forma de celebrar tantos encontros que transformaram a história do centro cultural, grupos de renome nacional e que possuem fortes laços com a casa foram convidados a montar uma cena curta para a abertura de cada noite de apresentação. Participarão como convidados os grupos Armazém Cia de Teatro (RJ), Cia Brasileira de Teatro (PR), Clowns de Shakespeare (RN) e Grupo Espanca! (MG), que já participaram de outros projetos desenvolvidos pelo centro cultural, como edições anteriores do Festival de Cenas Curtas, o Galpão Convida e o Sabadão. O convite a estes grupos para a criação de uma cena curta exclusiva para o festival integra a ideia de se celebrar, neste momento de comemorações do Galpão Cine Horto, tantos encontros tão importantes para a trajetória do centro cultural.

A 14ª edição do Festival de Cenas Curtas também contará com os já tradicionais debates d’O Dia Seguintepontos de encontro festa de encerramento, que ampliam e diversificam os espaços de trocas e convivências que o festival possibilita, promovendo uma verdadeira festa dos encontros! Sob coordenação do blog de crítica teatralHorizonte da Cena, mantido pelas jornalistas Luciana Romagnoli e Soraya Belusi, a seção No Calor da Cena se mantém e realiza a cobertura crítica das noites de apresentações.

O Galpão Cine Horto recebe inscrições de propostas de cenas curtas até o dia 26 de julho e divulga a relação das selecionadas no dia 09 de agosto. A 14ª edição do Festival de Cenas Curtas acontecerá entre os dias 25 e 29 de setembro de 2013, e as cenas mais votadas pelo público se reapresentarão no centro cultural entre os dias 03 e 06 de outubro.

SOBRE OS CONVIDADOS
Armazém Cia de Teatro
 :: Formado em 1987, em Londrina, em meio à efervescência cultural vivida pela cidade paranaense na década de 80. Com sede no Rio de Janeiro desde 1998, a companhia completa agora 25 anos de sua formação, sempre baseando seus espetáculos em pesquisas temáticas (com a criação de dramaturgia própria com ênfase nas relações do tempo narrativo) e formais (refletidas na utilização do espaço e na construção da cenografia). Dentre os espetáculos montados pela companhia estão Alice Através do Espelho (1999), Toda Nudez Será Castigada (2005), Antes da Coisa Toda Começar (2010) e A Marca da Água (2012).

Cia Brasileira de Teatro :: Criada em 1999, na cidade de Curitiba (PR), iniciou suas atividades reunindo um núcleo de profissionais dispostos a trabalhar na criação de espetáculos, processos, e a pensar o teatro a cada projeto realizado. Um espaço para a pesquisa, a criação e a produção. Algumas vertentes e linhas de atuação são identificadas na sua trajetória, como a criação de dramaturgia original, a releitura de clássicos e a encenação e tradução de dramaturgia contemporânea inédita. Dentre os espetáculos montados pelo grupo, estão Descartes com Lentes (2009/2010), Vida (2010/2012), Oxigênio (2010/2012) eEsta Criança (2012).

Clowns de Shakespeare :: Fundado no ano de 1993, na cidade de Natal (RN), o grupo vem desenvolvendo um trabalho de pesquisa teatral com foco na construção da presença cênica do ator, musicalidade da cena e do corpo, e no teatro popular, sempre numa perspectiva colaborativa. A técnica do clown está bem presente na sua estética, seja na lógica subvertida do mundo, seja na relação direta e verdadeira com a plateia, ou mesmo no lirismo que compõe o universo desses seres. Sem adotar uma atitude “museológica” sobre Shakespeare, mas também sem desrespeitar sua genialidade, o desafio tem sido encontrar, na universalidade da obra do dramaturgo, o que faz sentido para o grupo. Dentre os espetáculos montados pela companhia estão Muito Barulho por Quase Nada (2003), Farsa da Boa Preguiça (2010) e Sua Incelença, Ricardo III (2012).

Grupo Espanca! :: Fundado em 2004, o grupo fez sua estreia com a apresentação da cena curta Por Elise, durante o 5º Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto. No ano seguinte, essa mesma cena se desdobrou em um espetáculo de longa duração, o primeiro do repertório do grupo. Dentre os trabalhos da companhia, estão Amores Surdos(2006), Congresso Internacional do Medo (2008), Marcha para Zenturo(2010) e O Líquido Tátil (2012).

SERVIÇO
EDITAL :: 14º FESTIVAL DE CENAS CURTAS

Edital para seleção de propostas de cenas de até 15 minutos
Edição comemorativa dos 15 anos do Galpão Cine Horto
Período de inscrição: 10 JUN a 26 JUL 2013
Divulgação das propostas selecionadas: 09 AGO 2013

Edital completo disponível aqui para download.
Ficha de inscrição disponível aqui para download.

NÃO SERÃO ACEITAS INSCRIÇÕES PELA INTERNET!

Endereço: Galpão Cine Horto | Festival de Cenas Curtas
Rua Pitangui, 3613 – Horto | CEP: 31030-065 | BH | MG | Brasil
Horário: de segunda a sexta, 9h às 12h e 14h às 20h
As inscrições também poderão ser feitas pelo correio, via Sedex, desde que postadas até 26 JUL 2013.

Nova videodança produzida pelo coletivo Anticorpos

Está no ar mais um trabalho realizado e produzido pelo coletivo Anticorpos, em parceria com Caixa Preta.

 

[vimeo https://vimeo.com/64975337]

 

G.P.S. – Giros em Perspectivas Subliminares procura espacializar o corpo imergindo a sua ação coreográfica no fluxo maior da cidade. Este primeiro experimento faz parte de uma série de videodanças que está em gestação na qual as relações entre corpo e cidade serão exploradas das mais diferentes formas. Em breve disponibilizaremos aqui algumas das outras experiências.

Mais informações aqui