Chamada convergência Hemi GSI 2013 – Coletividades Experimentais

 

CONVERGÊNCIA Hemi GSI 2013
COLETIVIDADES EXPERIMENTAIS

Los Angeles, 10-13 outubro, 2013
Chamada de Participação & Descrições dos Grupos de Trabalho

Chamada: O inaugural 2012 Hemispheric Institute of Performance and Politics Graduate Student Initiative (Hemi GSI) Convergence, hospedado por Duke University, examinou emancipação, libertação, revolução, ocupação, geopolítica, “artivism”, e investigação militante para engajar as tensões vividas por estes conceitos contemporâneos em corpos, conhecimentos e locais.

Para promover diálogos que começaram na Duke University, a segunda Hemi GSI Convergence convida os alunos de pós-graduação das letras, artes e ciências sociais para se unir e desenvolver espaços exploratórios de colaboração lateral e pedagogias alternativas. “Coletividades experimentais” reúne acadêmicos, artistas e ativistas das Américas  para discutir questões do cuidado, do trabalho, do corpo, das ilhas e das fronteiras em painéis, performances, exibições de filmes, visitas a espaços comunitários e grupos de trabalho.

Participantes: Raquel Barreto (UCLA), Zach Blas (Duke), Micha Cárdenas (USC), Jorgelina Cerritos (Playwright, El Salvador), Marissa Chibas (Performer, Los Angeles), Kency Cornejo (Duke), Hope Cristobal (Chamorro activist), Doris Difarnecio (Centro Hemisférico, Chiapas, México) Ricardo Dominguez (UCSD), Macarena Gómez-Barris (USC), Ismael Guadalupe (Viequense activist), Jack Halberstam (USC), Jen Hofer (CalArts, Antena), Terrilee Keko’olani (Kanaka Maoli activist), Josh Kun (USC), Fred Moten (Duke), Juan de Lara (USC), Marissa López (UCLA), Raúl Martín Ríos (Director, Teatro de la Luna, Cuba), Maria-Elena Martínez (USC), Vivian Martínez-Tabares (Director of Casa de las Américas, Havana, Cuba), China Medel (Duke), Sean Metzger (UCLA), Nicholas Mirzoeff (NYU), Lorie Novak (NYU), Tavia Nyong’o (NYU), José Luiz Passos (UCLA), Alex Rivera (Film director, Los Angeles), Leticia Robles-Moreno (NYU), Chantal Rodriguez (LATC), Marcos Steuernagel (NYU), Diana Taylor (NYU), and Low End Theory (experimental hip-hop and electronic music, Los Angeles).

A 2013 Hemi GSI Convergence é co-organizada pela University of California, Los Angeles e a University of Southern California do 10-13 de outubro de 2013. Para participar, são convidados a submeter um resumo para apresentar e workshop pesquisa em um dos nossos ONZE GRUPOS DE TRABALHO (descrições abaixo).

Prazo de entrega:  31 de julho 2013
Requisitos:   Resumo de pesquisa (500 palavras), CV (2 páginas)
Instruções:  Envie para hemigsi@gmail.com
Indique o grupo de trabalho a que se candidata na linha de assunto do e-mail.

Organizadoras Principais da Convergência Hemi GSI 2013:
Rebekah Garrison (University of Southern California)
Isabel Gómez (University of California, Los Angeles)
Yvette Martínez-Vu (University of California, Los Angeles)
Ana Paulina Lee (University of Southern California)
Olivia Sanchez (Los Angeles Community College)

A 2013 Convergência Hemi GSI é patrocinada pelo Hemispheric Institute of Performance and Politics (NYU), Center for Transpacific Studies (USC), Comparative Studies in Literature and Culture Doctoral Program (USC), American Studies and Ethnicity (USC), Department of Spanish and Portuguese (USC), Department of Spanish & Portuguese (UCLA), Department of English (UCLA), e o Latin American Institute Working-Group for Travel, Translation & Circulation (UCLA).

GRUPOS DE TRABALHO

1. Arquivos de Transformação no Biddy Mason Park
Coordenadores: Ellen-Rae Cachola (UCLA), Dalena Hunter (UCLA), Maria Elena Martínez (UCLA)

Este grupo pretende utilizar a análise crítica e métodos etnográfricos das humanidades e as ciências sociais para examinar as relações entre a criação de documentos, custódia, e os direitos na prática de arquivo. Estamos interessados em contextualizando a prática de arquivo dentro do ambiente de poder no que é situada pelo exame das políticas epistemológicas no estudo dos arquivos e da coleção, descrição, e a preservação de registros. Estamos organizando uma excursão comunitária que focalizará no Biddy Mason Park, que se situa em terra importante aos Native Americans, Chican@s, African Americans e Asian Pacific Americans. Realizaremos uma cerimônia e pediremos aos participantes para contribuir com um registro de arquivo e uma história: Como é que as narrativas históricas do Biddy Mason Park se relacionam com eles? Os participantes são de quais disciplinas, e que arquivos eles se envolvem com, criam e/ou transformam? Nosso objetivo é construir relacionamentos entre os alunos por meio do diálogo sobre os conceitos de arquivamento. A excursão será documentada, e esperamos usar a informação recolhida e as relações construídas para organizar futuras e publicações.

2. Corpos-Em-Trânsito: Encontros e Desencontros no Cruzamento Cultural
Coordenadores: Diana Taylor (NYU), Karen Shimakawa (NYU), Leticia Robles-Moreno (NYU), Olga Rodríguez-Ulloa (Columbia), Bess Rowen (CUNY), and Kerry Whigham (NYU)

Este grupo explorará como os discursos acadêmicos, ações artivistas, e processos artísticos e produtos trabalham juntos no projeto conjunto de “articular” os corpos múltiplos em movimento na esfera global/globalizada. Em preparação para a Convergence 2014, discutiremos o significado espacial de “a cidade”– como espaços urbanos se tornam agravados por várias camadas de história e temporalidade, e como servem como espaços simbólicos de desejo por corpos circulando entre pontos diferentes das Américas e além. Nossos interesses estão em diálogo com conceitos e práticas que poderiam incluir tanatourism; a relação entre violência e artefatos culturais; o trabalho dos artistas no desenvolvimento de um teatro transnacional; e as articulações de coletividades pós-nacionais. O objetivo deste grupo é começar projetos de colaboração de longo prazo que levam à realização de uma publicação acadêmica. A participação neste grupo é limitada, e todos aqueles que se aplicarem devem estar comprometidos a trabalhar antes de nosso encontro em Los Angeles, bem como depois a Convergence deste ano e para a frente à Convergência 2014.

3. Feminismos Decoloniais
Coordenadores: Cecilia Caballero (USC), Ana Chavez (USC), Macarena Gómez-Barris (USC)

Este grupo oferecerá um espaço para os estudiosos interdisciplinares, artistas e ativistas a re-imaginar decolonialidade coletivamente tanto como um processo e uma práxis em um contexto hemisférico e global. Usando as teorizações de Maria Lugones de gênero como uma construção colonial e “World Traveling” como um ponto de partido, exploraremos como teorias de raça e etnia, sexualidade, estudos queer, feminismos das mulheres de cor, transnacionalismo e plurinacionalismo, indianidade e estudos hemisféricos informam novos entendimentos dos feminismos decoloniais emergentes. Nossa discussão focalizará também nas estéticas decoloniais (como mídias digitais, arte visual e de performance, música, histórias orais e a literatura) bem como os movimentos sociais atuais de todo o hemisfério. Perguntamos, quais teorias estão surgindo a partir de feminismos decoloniais? Quais são as suas práticas através dos hemisférios? Quais são os meios pelos quais artistas, ativistas e estudiosos estão acessando-las?

4. Coletividade de artes curativas
Coordenadores: Sarah Murdock (UCLA), Ivy McClelland (UC Berkeley)

Em uma exploração da intersecção entre arte e saúde pública, os participantes da nossa “coletividade de artes curativas” examinaram a eficácia das práticas criativas no bem-estar das comunidades. Convidamos artistas, ativistas e acadêmicos com foco na arte da justiça social ou da arte na construção da comunidade para compartilhar histórias de sucesso e encontrar recomendações práticas para projetos futuros. Através de uma discussão interdisciplinar, a coletividade das artes curativas desenvolverá a nossa compreensão das maneiras em que raça, classe, gênero, sexualidade, idade, e situação socioeconômica afetam o desenvolvimento da pesquisa e da intervenção das artes na saúde pública. Será dada atenção especial às melhores práticas demonstradas por meio da pesquisa recente, de modo que a comunidade pode fazer recomendações para políticas e pesquisas futuras. A coletividade das artes curativas discutira várias maneiras de usar arte como ferramenta estratégica em diferentes situações como trauma pessoal até comunitária, a identidade da comunidade ou o bem-estar geral. UCLA WAC e UC Berkeley Public Health trabalham com Inner City Arts em Los Angeles.

5. O indígena, memória, y praxis
Coordenadores: Floridalma Boj Lopez (USC) Maylei Blackwell (UCLA), Daina Sanchez (UCI)

Este grupo pretende examinar formas alternativas de coletivos de construção que desnaturalizar e descentrar o Estado-nação como um princípio de organização, com particular ênfase nas formas indígenas da coletividade. Buscamos compreender como a memória, lugar e / ou personalidade são construídos e promulgada pelas comunidades indígenas de forma a criar possibilidades para a definição de uma práxis decolonial que é despojado das hierarquias que reproduzem neocolonial ou manifestações colono-coloniais em todo o hemisfério. Neste sentido, procuramos considerar como epistemologias indígenas têm sido muitas vezes fundamental para movimentos como o movimento Maya e EZLN e como esses modos de ser-no e conhecer o mundo criar possibilidades e limitações para imaginar “novas” formas de vida. Nós perguntamos: quais são as possibilidades e os desafios de promover a produção de conhecimento e de transmissão com base em identidades indígenas e visões de mundo? Se a descolonização é determinada pela recíproca e, portanto, ao colonial, de que forma podemos promover coletivos descoloniais sem reiterando as formas existentes de colonialismo? Como se pode pensar em memória como um presente ato performativo de (re) construção do passado que se baseia na interação de conhecimento e experiência nos ajudar a reconhecer as epistemologias indígenas sem negando presentes culturas e entidades indígenas? Como podemos entender os direitos indígenas reivindicações baseadas em noções fixas de lugar e terra em face da migração eo deslocamento político-econômica dos povos indígenas dos territórios ancestrais ea criação de Diásporas indígenas? Como é que descolonialidade relacionam com a terra, o lugar ea diáspora?

6. Espaços Públicos Mediados, Encarnação e Comunidades Virtuais
Coordenadores: Kristy Kang (USC), Ioana Literat (USC), Tavia Nyong’o (NYU), Jasmina Tumbas (SUNY Buffalo)

Este grupo reunirá pessoas envolvidas na experimentação pensativa sobre as conexões entre lugar, e comunidades encarnadas e virtuais. O seu propósito é gerar discurso interdisciplinar e práticas criativas que desafiam a suposição que os espaços físicos e virtuais são segregados. Os participantes compartilharão uma variedade de abordagens que mediam o espaço público como um local para a ativação de engajamento comunitário e práticas narrativas. Em consonância com a importância crescente da produção criativa em culturas participativas, um objetivo central do nosso grupo é tanto teorizar e engendrar práticas de participação coletiva que são culturalmente significativas, pró-sociais, e fortalecedoras. Para ativar um espaço público, é imprescindível ativar as pessoas que habitam esse espaço. Por isso, além de discussões interdisciplinares, os membros do grupo de trabalho estarão ativamente envolvidos na criação de um evento, performance ou projeto de arte participativa que teste as possibilidades e os limites da participação criativa em um ambiente coletivo. Convidamos aplicações de estudiosos e profissionais interessados nestes temas e apaixonados por engajamento comunitário. Além de uma explicação de sua formação e seu interesse por este grupo, também pedimos que você indicar uma questão-chave que impulsiona seu trabalho e alimenta a sua curiosidade sobre os principais temas que iremos explorar neste fórum.

7. Jogando Dress Up: Moda, Género, e as Políticas da Encorporação
Coordenadores: Tamara Leacock (New York University), Kelly McKay (University of Minnesota) Sean Metzger (UCLA), Jack Halberstam (USC)

Como nossas vestes e adornos moldam nossas maneiras de ver e estar no mundo? Este grupo de trabalho usa “moda” como um ponto de partida para iniciar um diálogo crítico e artístico em torno de questões de política, identidade, estranheza e personificação. Buscamos os participantes a se juntar a nós no início de uma exploração coletiva de como a moda funciona como uma tecnologia de identidade. Quando nos aproximamos desses temas, estamos profundamente empenhados em envolver o jogo como um modo de investigação. Convidamos contribuições criativas de estudiosos, artistas e ativistas que trabalham em estudos de moda. Nós prevemos o grupo de trabalho tanto como um fórum de discussão e um laboratório de pesquisa artística experimental, um lugar para compartilhar nossos projetos em andamento, mas também para fazer um novo trabalho juntos. Esperamos que nossas conversas coletivas vão falar com o tema emergente de estudos de moda, com uma voz nitidamente situada em uma perspectiva hemisférica, reconhecendo os Estados Unidos e a América Latina como desempenhando papéis fundamentais na definição das realidades da economia mundial da moda. Geralmente, perguntamos: como é que vamos entender as complexas relações entre as pessoas e roupas? Quais os tipos de anexos políticos, sociais, emocionais e outros moldam nossas relações com nossas roupas? Como podemos combinar o nosso trabalho prático como artistas com nosso trabalho acadêmico, avidamente buscamos colaboradores e interlocutores neste processo experimental. Joga “dress-up” com a gente!

8. Espaços públicos e privados nas intervenções urbanas
Coordenadores: Tania Alice (UF Rio), Álvaro Villalobos (UNAM)

O grupo tem como meta discutir a relação entre privado e público nas práticas de intervenção urbana, incluindo nesta reflexão a questão dos financiamentos públicos e privados e meios de produção alternativos. Nosso objetivo é investigar fontes de financiamento possíveis para a realização de atividades marginais, contra-corrente e alternativas, questionando também a progressiva privatização dos espaços públicos e imaginando, relatando ou realizando intervenções urbanas acerca deste questionamento. Outro assunto a ser debatido será a tensão entre a utilização de material autobiográfico na prática performativa e seu compartilhamento, que torna público o privado e confere a ele um alcance mais universal, incluindo neste movimento práticas que dialogam com o conceito de “arte socialmente engajada” de Pablo Helguera e que fundem ativismo social, prática ritual e/ou intervenções que poetizam o espaço urbano, contrapondo-se assim a usos puramente funcionais destes espaços. A idéia norteadora é que o próprio grupo de trabalho se configure como uma intervenção urbana, sendo que as discussões poderiam ser realizados em espaços públicos com mobiliários privados, configurando um escritório a céu aberto.

9. Tradução, Circulação, e Viagem na América Latina
Coordenadores: José Luiz Passos (UCLA), Kristal Bivona (UCLA), Kevin G. McDonald (UCLA)

A viagem e a tradução fazem um papel central na história, auto-conhecimento, e disseminação da cultura latina americana. Desde a primeira publicação escrita por um indivíduo nascido no hemisfério ocidental, uma tradução por Inca Garcilaso em 1595, à política linguística contemporânea que afeta as línguas indígenas das Américas, as questões de tradução e a circulação de formas culturais, de capital, e dos corpos sempre se mostraram fundamental para a cultura latino-americana. Este grupo convida pesquisa que examina as pessoas, as agências, e as práticas que produzem essas narrativas circundantes. Como a tradução pode participar no pensamento decolonial?

10. Violência, Descolonização e o Grupo de Pesquisa de Escolaridade
Coordenadores: Chrissy Anderson-Zavala (UCSC), Cindy Cruz (UCSC), Eduardo Mosqueda (UCSC)

Este grupo de trabalho está sendo constituído pela Violência, Descolonização e o Grupo de Pesquisa de Escolaridade da Universidade da Califórnia, Santa Cruz, uma equipe de estudantes e professores interessados em questionar definições de violência, descolonização, e resistência em educação. Esta equipe vai se concentrar em explorar diferentes conceitos de violência e resistência em educação nas escolas. Estamos interessados em desenvolver um quadro teórico que englobe os feminismos transnacionais de mulheres de cor, a alfabetização crítica, a personificação, e a descolonização como temas centrais, e uma postura teórica que utiliza diversas formas de conhecimento através da colaboração de jovens, artistas, acadêmicos e ativistas. Em nosso trabalho enfocamos experiências vividas do cotidiano, que são espaços de manifestação iterativa e incorporação de conhecimentos. Esperamos colaborar com as pessoas que trabalham para desconstruir, interromper e desmantelar a ligação entre prisão e escola, e  modelos de pesquisa deficitários. Estamos abertos e entusiasmados sobre o potencial de colaborar com pessoas e grupos que lutam com as heranças coloniais e repetições de violência em espaços compartilhados, estruturais e institucionais. O formato deste grupo de trabalho será composto de múltiplas formas de engajamento em leituras e debates voltados para o desenvolvimento de um texto coletivo.

11. Visualizando circuitos culturais
Coordenadores: Lacey Schauwecker (USC), Elena Andrade (University of Victoria in British Columbia, Canada), Lorie Novak (NYU), Marissa López (UCLA)

A mediação das relações capitalistas privilegia visão para inscrever estruturas de dominação sobre o sujeito humano. Esta visualidade implica interação entre inteligibilidade e ininteligibilidade. Ver é saber, mas nenhuma dessas ações é estável ou completa. Embora o visual pode parecer “real” e “natural,” portanto continua a ser necessariamente performativa, não como expressão mas animação simbólica. O visual pode ler movimento na imobilidade, revolução na reificação. Ligada com a visualidade é a operação do espaço como uma tecnologia de dominação que utiliza fronteiras para atribuir valores de troca aos corpos, mercadorias e moedas. Práticas performativas que tornam visíveis esses códigos que reificam a consciência podem oferecer uma maneira de ver as estruturas aparentemente permanentes mais como processos performativos. Este grupo assume uma abordagem dos estudos visuais para entender melhor circuitos de intercâmbio cultural e procurar a mobilidade entre vários tipos de fronteiras: geográficas, políticas, estéticas, etc. Como pensamos nos fluxos locais e globais da cultura visual? Quais são seus veículos? A que velocidades e distâncias é que eles ganham a sua maior significação, visível e / ou de outra forma? Como é que as intervenções subalternas usam práticas visuais e espaciais para (re)inventar, adaptar, resistir e buscar a justiça num mundo dominado pelo capital globalizado? Que tipo de projeto de aprendizagem experiencial é que queremos criar para nós mesmos na convergência Hemi GSI em outubro?

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s