E-misférica solicita propostas de ensaios académicos, apresentações artísticas, bem como de resenhas de livros, filmes e “performances” para o seu número do Verão de 2014.

e-misférica 11.2 – Rasanblaj caribenho
Editora convidada: Gina Athena Ulysse, Wesleyan University

Rasanblaj (s)

Resista ao impulso de traduzir, comece por pronunciar. Pense conscientemente no som. Deixe o arco do r rolar sobre o ah que automaticamente faz com que a língua pouse, permita que o silvo dos que culminará na frente dos dentes seduza o maxilar a relaxar num som an, ao mesmo tempo que o des estalar dos lábios impulsiona o bl que circunda o ah outra vez pousado e acabando no j. Jogue com os contornos. Sinta a sensação dessa palavra na sua boca. Em kreyòl haitiano. 3 sílabas. Ra-San-Blaj.

Definido como assembleia, compilação, alistamento, reagrupamento (de ideias, coisas, pessoas, espíritos. Por exemplo, fè yon rasanblaj, organizar um encontro, uma cerimónia, um protesto), a própria formação linguística de rasanblaj subverteu e resistiu à opressão colonial (M. Condé). << Considere que o Artigo 16 do Código Negro francês de 1685 proibia expressamente, em qualquer circunstância ou ocasião, a reunião de escravos de diferentes mestres>>. A sua etimologia e significações indexam as histórias através das quais emergiu.
Rasanblaj: Catalisador. Palavra chave. Método. Prática. Projeto.

Rasanblaj lança uma provocação de reconfigurar as práticas discursivas e expressivas no Caribe (e nas suas diásporas). Rasanblaj exige uma presença comunal do engajado ao radical, uma interatividade de base e não de cima para baixo. Tendo em conta a corporificação do visceral no estrutural, invoca o conhecimento do feminismo erótico de Audre Lorde na sua dimensão mais vasta, do político ao sensual e espiritual (M. Sheller). Chama-nos a pensar através da performance e da política caribenhas, reconhecendo as encruzilhadas não como destino mas como ponto de encontro a partir do qual se pode avançar. De fato, com a prova inequívoca de que o passado e o futuro existem no presente (C. L. R. James, M-R. Trouillot), rasanblaj não somente pressupõe desígnio e método como também oferece possibilidades de existência para outras modalidades e narrativas. Assim, permite-nos contemplar o performativo na subjetividade, no agenciamento, nas comunidades e na cidadania que constituem os futuros caribenhos (B. Meeks), com o Maravilhoso e as utopias imaginadas como realidades possíveis (S. Césaire, J. Muñoz). Afirmando se como um projeto explicitamente descolonial, rasanblaj exige que consideremos a amplitude limitada das estruturas segregadas a fim de explorar o que continua excluído nessa paisagem plena de vida, porém sobrecarregada com desigualdades e lembranças perigosas (M. J. Alexander).

Ensaios completos devem ser enviados até 15 de Março de 2014; Consultas preliminares e resumos são bem vindos. Para propor apresentações e resenhas multimídia, favor contatar os coordenadores até 15 de Fevereiro, devendo os textos e materiais ser entregues até 15 de Março. Para esta edição, e-misférica aceitará propostas em inglês, espanhol, crioulo, francês e português. Todas as contribuições, propostas e consultas devem ser feitas aos coordenadores através do seguinte endereço:  hemi.ejournal@nyu.edu. Os nossos parâmetros e regras de apresentação estão disponíveis no endereço: http://hemisphericinstitute.org/hemi/pt/participate

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s